De TRANSCRIÇÃO a 4 de Setembro de 2012 às 05:31
Sabendo-se que o genro de Cavaco Silva comprou o Pavilhão Atlântico em saldo, que vai recuperar o investimento enquanto o diabo esfrega um olho e que Cavaco Silva está, tal como Vítor Gaspar, protegido da austeridade enquanto pensionista do BdP a dúvida agora está em saber quantos vencimentos me vão custar o Pavilhão Atlântico. Cabendo a Cavaco Silva a promulgação dos OE e sabendo-se da tentação deste governo para medidas inconstitucionais os portugueses estariam mais tranquilos se o governo não tivesse vendido um pavilhão (que ninguém o obrigou a vender) a um familiar de quem muitas vezes tem a faca e o queijo na mão. Neste país onde uns sofrem com austeridade e outros enriquecem mais facilmente do que nunca e cabendo ao governo e ao Presidente da República quem vai passar fome e quem vai comprar um BMW novo seria mais saudável para a democracia que este tipo de negócios não se realizassem ou caso fosse mesmo necessário que os preços fossem outros. Assim sendo ficamos com a sensação de que alguém foi autorizado a cortar os subsídios e a desculpa de Cavaco para não mandar o OE para o Tribunal Constitucional foi mesmo muito esfarrapada. Até nos podem dizer que o genro do Cavaco Silva é um comerciante como qualquer outro, pois é, mas o facto é que Portugal já teve outros três presidentes eleitos, todos eles com família e não há memória nem de negócios com acções da SLN nem de vendas de património público a preço de saldo aos seus familiares. Da mulher de César não se espera apenas que seja honesta, exige-se que pareça. Este país está mesmo a bater no fundo, começa a ser difícil encontrar alguém de confiança (In Blog "O Jumento"

É assim mesmo, nada há a fazer....


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres